Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007

Trabalhadores dispensados...

Sindicato dos Hoteleiros faz queixa
por dispensa de trabalhadores que fizeram greve nos últimos dias


O Sindicato dos Trabalhadores Hoteleiros do Algarve anunciou hoje que vai apresentar um queixa à Inspecção-Geral do Trabalho contra os casinos da região que tenham dispensado os funcionários que estiveram em greve nos últimos dias.


Tiago Figueiredo Silva


Os profissionais das salas de jogo e máquinas dos casinos do Algarve estiveram em greve entre segunda-feira e as 4h de hoje para reclamarem melhorias salariais, protesto que, segundo o sindicato, registou uma adesão de cerca de 70%.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente sindical Henrique Almeida afirmou que os trabalhadores que fizeram greve nos últimos dias e que hoje se apresentaram a partir das 16h foram em alguns casos dispensados do trabalho.

De acordo com o representante dos trabalhadores, esta situação ocorreu pelo menos no casino de Monte Gordo, um dos espaços da empresa Solverde, que detém ainda na região os casinos de Vilamoura e Praia da Rocha.

"O director do casino de Monte Gordo veio com uma carta para dispensar os trabalhadores no dia de hoje, mas o sindicato deu-lhes ordens para não assinarem", disse, acrescentando que a dispensa deveria ter ocorrido "há oito dias" e que a empresa não pode marcar faltas injustificadas, uma vez que os funcionários se apresentaram ao serviço.

"Os trabalhadores foram dispensados do serviço, mas não com a sua concordância", referiu Henrique Almeida, adiantando que o sindicato irá apresentar uma queixa à Inspecção-Geral do Trabalho.

O responsável sindical adiantou que está marcada uma nova greve para o dia 22, que desta vez abrangerá os funcionários das salas de jogo e da hotelaria, numa contestação aos baixos salários e ao fim das regalias, disse.

A greve dos funcionários da hotelaria está convocada entre as 00h00 e as 24h00 de quarta-feira, enquanto os profissionais das salas de jogo deverão parar entre as 13h00 de dia 22 e as 4h00 do dia seguinte.

Algarve 2007-08-15 18:49
Extraido do :
Diário Económico.com

A Voz do Proletário editou às 19:16
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007

Em Espanha...

Espanha: Tribunal imputa a governo e empresas acidente que vitimou portugueses em 2005

10 de Agosto de 2007, 12:48

Granada, Espanha, 10 Ago (Lusa) - Um juiz espanhol imputou hoje ao governo de Madrid e a duas empresas de construção responsabilidades no acidente de trabalho que em Novembro de 2005 vitimou seis trabalhadores, cinco deles portugueses, em Granada.

No auto de instrução, o juiz de Almuñécar (Granada) quer ouvir, pelo Ministério do Fomento, equivalente ao Ministério das Obras Públicas, o chefe de Demarcação de Estradas do Estado na Andaluzia Oriental e o engenheiro director do projecto de execução da obra onde ocorreu o acidente.

Determina ainda que sejam ouvidos representantes legais da União Temporal de Empresas (UTE) La Herradura - a quem foi adjudicada a construção do viaduto onde ocorreu o acidente -, o seu chefe de obras e o coordenador de segurança da obra.

Serão ainda ouvidos responsáveis da empresa sub-contratada Estructuras e Montajes de Prefabricados SL, o chefe de equipa, capataz e encarregado da obra.

Inquéritos realizados indicam que o acidente na obra da auto-estrada AP7 em Granada - que causou a morte a seis trabalhadores, cinco deles portugueses - se deveu à rotura de uma das peças do viaduto.

Os relatórios finais do Ministério do Fomento e do instituto Eduardo Torroja, que investigaram o acidente na A-7, próximo de Almuécar, foram remetidos em Março ao tribunal de instrução que analisou o processo e que deliberou as audições hoje conhecidas.

Fontes judiciais referem que os técnicos concordam na avaliação de que a queda de parte do viaduto em construção se deveu a problemas numa das peças de suporte, divergindo apenas no que consideram terem sido as causas desse problema.

Segundo o Fomento, a peça rompeu-se devido "fundamentalmente" ao "mau estado da soldagem", enquanto os peritos do Instituto Eduardo Torroja aludem a problemas com um dos parafusos, que "cedeu", enfraquecendo a peça afectada.

O acidente ocorreu na tarde de 07 de Novembro de 2005, quando parte do viaduto se abateu com vários trabalhadores na estrutura, tendo morrido cinco portugueses e um espanhol.

A obra tinha sido adjudicada à União Temporal de Empresas (UTE) La Herradura - formada pelas empresas Azvi, Obra Subterrâneas e Ploder - que subcontratou parte dos trabalhos à galega Estructuras y Montages de Prefabricados que, por sua vez delegou parte da obra na portuguesa Douro Montemuro.

Os cinco trabalhadores portugueses mortos tinham sido todos contratados pela Douro Montemuro.

Desconhece-se se o auto hoje divulgado obriga ainda a declarações de responsáveis desta empresa portuguesa.

ASP.

Lusa/Fim

A Voz do Proletário editou às 14:53
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar

 

Março 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Artigos Recentes

Pois...

e esta heim...

CDU 2009

Parlamento Europeu rejeit...

lei comunitária sobre tem...

A oferta que Sócrates dá ...

Atenção!!!

CGTP - IN

Zapatero

Novos perigos...

Safa-se quem tem dinheiro...

Precisamos lutar

Arquivos

Março 2011

Novembro 2010

Julho 2009

Dezembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Outubro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Blog Principal


A Bandeira Vermelha

Mundo Laboral


Reforma Agrária

Esquerda no mundo


Partido Comunista Português

PCdoB - Partido Comunista do Brasil

PARTIDO COMUNISTA DE ESPAÑA

Communist Party of Greece

Partido Comunista de Cuba

Estou no...






Estou no Blog.com.pt

E você, blogaqui?
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags